NBOMe: perfil de apreensões da Polícia Federal no Brasil


Resumo

A Polícia Federal (PF) possui informações importantes sobre as apreensões de drogas sintéticas no país que podem ser compiladas e organizadas para descrever o panorama atual das designer drugs no Brasil sob a realidade observada pela PF. Trata-se do Sistema Criminalística, um banco de dados nacional com laudos periciais digitalizados. Neste contexto, este estudo teve como objetivo fazer um levantamento estatístico do perfil de apreensão das drogas sintéticas que contém NBOMe - grupo derivado da feniletilamina com propriedades alucinógenas - seus sais e isômeros, através da análise dos dados contidos nos relatórios periciais emitidos pela Polícia Federal no Brasil nos últimos 5 anos. As seguintes informações foram coletadas: número de laudos, local das apreensões, local de elaboração dos laudos, formas de apresentação, principais drogas apreendidas em conjunto com NBOMe e suas respectivas formas de apresentação, classificação química do NBOMe - de acordo com substituintes - quantidade de unidades apreendidas e principais imagens visualizadas nos materiais apreendidos pelos agentes federais. Foi possível traçar um panorama da situação nacional atual, sob a ótica da PF, sobre drogas sintéticas para o aprofundamento da visão, especialmente em produtos que contenham NBOMe, seus sais e isômeros. Os dados aqui apresentados se destinam a apoiar as políticas de planejamento de ações estratégicas para o controle, supressão e prevenção de uso de drogas e tráfico.


Palavras-chave

Designer drugs
25C-NBOMe
25I-NBOMe
25B-NBOMe
25H-NBOMe.

Referências

  1. http://www.unodc.org/documents/scientific/NPS_2013_SMART.pdf, acessado em agosto 2015.
  2. D.F. Guerreiro, A.L. Carmo, J.A. Silva, R.Navarro, C. Góis. Club drugs, um novo perfil de abuso de substâncias em adolescentes e jovens adultos. Acta Med. Port. 27, 739, 2011.
  3. R. Bulcão, S.C. Garcia, R.P. Limberger, M. Baierle, M.D. Arbo, A.A.M. Chasin, F.V. Thiesen, R. Tavares. Designer drugs: aspectos analíticos e biológicos. Quím. Nova, 35, 149, 2012.
  4. D.S. Theobald, S. Fehn, H.H.J. Maurer. New designer drug, 2,5-dimethoxy-4-propylthio-beta-phenethylamine (2C-T-7): studies on its metabolism and toxicological detection in rat urine using gas chromatography/mass spectrometry. Mass. Spectrom. 40, 105, 2005.
  5. D. De Boer, I.J. Bosman, E. Hidvegi, C. Manzoni, A.A. Benko, L.J. Dos Reys. Piperazine-like compounds: a new group of designer drugs-of-abuse on the European market. Forensic Sci. Int. 121(1-2), 47-56, 2001.
  6. E.T. Moro, A.A.F. Ferraz, N.S.P. Modolo. Anesthesia and the Ecstasy user. Rev. Bras. Anestesiol. 56, 2, 2006.
  7. M.F. Andreasen, R. Telving, I. Rosendal, M.B. Eg, J.B.Hasselstrom, L.V. Andersen. A fatal poisoning involving 25C-NBOMe. Forensic Sci. Int. 251, e1-8, 2015.
  8. J.L. Poklis, K.G. Devers, E.F. Arbefeville, J.M. Pearson, E. Houston, A.S. Poklis, R.C.A. Da Silva, B.D. Sabino. Post mortem detection of 25I-NBOMe [2-(4-iodo-2,5-dimethoxyphenyl)-N-[(2-methoxyphenyl)methyl]ethanamine] in fluids and tissues determined by high performance liquid chromatography with tandem mass spectrometry from a traumatic death. Forensic Sci. Int. 234, 2014.
  9. A. Ninnemann, G.L. Stuart. The NBOMe Series: A Novel, Dangerous Group of Hallucinogenic Drugs. J. Stud. Alcohol Drugs74(6), 977–978, 2013.
  10. S.D. Brandt, L.A. King, M. Evans-Brown. The new drug phenomenon. Drug Test. Anal. 6, 587, 2014.
  11. L.A. King. New phenethylamines in Europe. Drug Test. Anal. 6, 808, 2014.
  12. http://www.who.int/medicines/areas/quality_safety/4_18_review.pdf, acessada em agosto de 2015.
  13. F.S. Bersani, O. Corazza, G. Albano, G. Valeriani, R. Santacroce, F.B.M. Posocco, E. Cinosi, P. Simonato, G. Martinotti, G. Bersani, F. Schifano. 25C-NBOMe: Preliminary Data on Pharmacology, Psychoactive Effects, and Toxicity of a New Potent and Dangerous Hallucinogenic Drug. Bio. Med. Res. Int. 2014, 734749, 2014.
  14. D.M. Wood, R. Sedefov, A. Cunningham, P.I. Dargan. Prevalence of use and acute toxicity associated with the use of NBOMe drugs. Clin. Toxicol.53, 85, 2015.
  15. A. Kelly, B. Eisenga, B. Riley, B. Judge.Case series of 25I-NBOMe exposures with laboratory confirmation. Clin. Toxicol. 50, 702, 2012.
  16. R.S. Rose, K.L. Cumpston, P.E. Stromberg, B.K. Wills.Severe poisoning following self-reported use of 25-I, a novel substituted amphetamine.Clin.Toxicol.50, 707, 2012.
  17. R.S. Rose, J.L. Poklis, A. Poklis. A case of 25I-NBOMe (25-I) intoxication: a new potent 5-HT2A agonist designer drug. Clin. Toxicol. 51, 174, 2013.
  18. S.L. Hill, T. Doris, S. Gurung, S. Katebe, A. Lomas, M. Dunn, P. Blain, S.H. Thomas. Severe clinical toxicity associated with analytically confirmed recreational use of 25I-NBOMe: case series. Clin. Toxicol. 51, 487, 2013.
  19. S.J. Stellpflug, S.E. Kealey, C.B. Hegarty, G.C. Janis. 2-(4-Iodo-2,5-dimethoxyphenyl)-N-[(2-methoxyphenyl)methyl]ethanamine (25I-NBOMe): Clinical case with unique confirmatory testing. J. Med. Toxicol. 10, 45, 2014.
  20. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/svs/1998/prt0344_12_05_1998_rep.html, acessado em agosto de 2015.
  21. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2014/rdc0006_18_02_2014.pdf, acessado em agosto de 2015.
  22. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm, acessado em agosto de 2015.
  23. J.L. Costa, A.A.M. Chasin. Determination of MDMA, MDEA and MDA in urine by high performance liquid chromatography with fluorescence detection. J. Chromatogr. B: Anal. Technol. Biomed. Life Sci. 45, 811, 2004.
  24. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2015/rdc0032_30_07_2015.pdf, acessado em agosto de 2015.
  25. E.A. Alves, M.L. Sodré, A.S. De Oliveira, R.C.A. Da Silva, B.D. Sabino. Chemical Profile and Toxicological Features of Ecstasy Tablets Seized in Rio De Janeiro, Brazil. J. Forensic Toxicol. Pharmacol. 2(2), 1-5, 2013.
  26. L.R. Togni, R.Lanaro, R.R. Resende, K.L. Costa. The Variability of Ecstasy Tablets Composition in Brazil. J. Forensic Sci. 60(1), 147-151, 2015.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Revista Brasileira de Criminalística

Compartilhe

Download

Autor(es)

  • Carlos Alberto Yasin Wayhs,
  • Monique dos Reis,
  • Kristiane de Cássia Mariotti,
  • Wanderson Romão,
  • Boniek Gontijo Vaz,
  • Rafael Scorsatto Ortiz,
  • Renata Pereira Limberger,
  • Carlos Alberto Yasin Wayhs

    Universidade Federal do Rio Grande do Sul

    Graduado em Farmácia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com habilitação em Análises Clínicas pela Faculdade de Farmácia UFRGS. Mestre e Doutor em Ciências Farmacêuticas pela UFRGS; Fez Doutorado Sanduíche no Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge em Portugal. Foi Consultor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Atualmente é Consultor em Vigilância Sanitária na Oriens Consultoria em Vigilância Sanitária e faz Pós-Doutorado em Ciências Farmacêuticas na UFRGS, na área de Toxicologia Forense. Foi Diretor-Presidente da Associação dos Farmacêuticos do Rio Grande do Sul (AFARGS) gestão 2012-2013, Diretor-Tesoureiro da AFARGS gestão 2010-2011, e integrante da Comissão de Ética do Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul (CRF/RS).

    Monique dos Reis

    Laboratório de Toxicologia, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

    Kristiane de Cássia Mariotti

    Grupo de Identificação, Superintendência da Polícia Federal no Rio Grande do Sul

    Possui graduação em Farmácia (2006) com ênfase em Análises Clínicas (2008) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestrado em Ciências Farmacêuticas (2010) pela UFRGS; Doutorado em Ciências Farmacêuticas (2013) pela UFRGS e Pós-doutorado (2015) pela UFRGS. Atualmente é Papiloscopista Policial Federal do Departamento de Polícia Federal e Professora Substituta da Disciplina de Toxicologia da Faculdade de Farmácia da UFRGS. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Toxicologia, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento e validação de métodos analíticos e bioanalíticos, perfil químico de drogas de abuso, estimulantes anfetamínicos, avaliação de toxicidade, análise de medicamentos falsificados, papiloscopia forense.

    Wanderson Romão

    Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória (ES)

    Graduado em Química Bacharel e Licenciatura pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Mestre em Química pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Sua dissertação de mestrado é titulada em: Metodologia para Detectar a Presença de PET reciclado em embalagens PET para Alimentos. Doutor em ciências pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) onde o tema é titulado em: NOVAS APLICAÇÕES DA ESPECTROMETRIA DE MASSAS EM QUÍMICA FORENSE sob orientação do prof. Dr. Marcos Nogueira Eberlin. O prof. Dr. Wanderson Romão é docente do Instituto Federal do Espírito Santo (2012) e professor permanente do programa de pós-graduação (2011) em Química da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). O docente tem publicado aproximadamente 90 artigos científicos em revistas indexadas, orientou onze mestres e vem orientando mais de 15 alunos de pós-graduação. Todos os seus projetos estão vinculados na área de Química Forense, Metabolômica e Petroleômica.

    Boniek Gontijo Vaz

    Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal de Goiás

    Possui graduação em Química pela Universidade Federal de São Carlos (2007), mestrado em Química pela Universidade Estadual de Campinas (2009), doutorado em Química pela Universidade Estadual de Campinas (2011). Atualmente é Professor Adjunto II da Universidade Federal de Goiás. Têm experiência na área de Química com ênfase em espectrometria de massas. Atua no desenvolvimento de novas aplicações de fontes de ionização ambiente, em aplicações da espectrometria de massas em petrolêomica , metabolômica e química forense.

    Rafael Scorsatto Ortiz

    Setor Técnico-Científico, Superintendência de Polícia Federal no Rio Grande do Sul

    Doutor em Ciências Farmacêuticas pela UFRGS com pesquisa no tema da falsificação de medicamentos, desenvolvendo metodologias analíticas que permitam detectar e rastrear falsificações de comprimidos de Cialis e de Viagra. Perito Criminal Federal do Departamento de Polícia Federal (desde 2004) atuando na área de perícias de laboratório (drogas, medicamentos, agrotóxicos, etc.) e de local de crime. Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) (1998), com ênfase em Indústria de Medicamentos (2000). Possui Mestrado em Ciências Farmacêuticas pela UFRGS (2003) e Especialização em Toxicologia Forense pelo Centro Universitário Feevale (2009). Criador e docente do curso de extensão "Toxicologia Forense: Aspectos legais, métodos analíticos e aplicações; (2013), o qual já foi ministrado inúmeras vezes em cursos instituições de ensino superior. Sua Tese de Doutorado "Perfil químico e tecnológico de medicamentos falsificados: uma abordagem estatística multivariada para os casos do Viagra e do Cialis? foi classificada em primeiro lugar no 4º Encontro Nacional de Química Forense (ENQFor), em 2014, recebendo o Prêmio Destaque Forense. Membro do Comitê Gestor do INCT Ciências Forenses.

    Renata Pereira Limberger

    Laboratório de Toxicologia, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

    Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994), especialização em Toxicologia pela Pontifícia Universidade Católica do RS (2003), mestrado em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998), doutorado em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001) e Pós-doutorado em Química pela Universidade de Campinas (2004). Atualmente é Professor Associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ministrando as Disciplinas de Toxicologia, Toxicologia Clínica, Espectrometria de Massas e Cromatografia em Fase Gasosa acoplada a Detector de Massas. É Coordenadora do LABTOXICO - Laboratório de Toxicologia da Faculdade de Farmácia da UFRGS, pesquisadora do Centro de Pesquisa em Álcool e outras Drogas (CPAD) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, sendo responsável pelo Núcleo de Toxicologia do CPAD/HCPA. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Análises Toxicológicas, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento e validação de métodos analíticos em toxicologia, drogas de abuso, estimulantes anfetamínicos, suplementos alimentares, produtos emagrecedores e ergogênicos, óleos voláteis, estudo de biotransformação de substratos exógenos